mapa

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Feliz Natal!

Você é seu salvador, seu próprio Jesus Cristo.
Que neste natal, você comemore o nascimento de sua luz interior. Jesus nunca salvou e nem nunca salvará ninguém, ele sempre disse "você se salvou". Abandone o cristianismo, se seguir mestres fosse bom, Jesus teria seguido alguém!
Evolua e se valorize!

O divino individualismo!



Você é o único dono de sua felicidade, portanto, não entregue sua alegria nas mãos de absolutamente ninguém.

Nascemos livres, não pertencemos a ninguém e ninguém nos pertence, apenas pertencemos a vida sem nada nem ninguém nunca nos pertencer.

O motivo de estarmos vivos é pelo prazer, por nós mesmos, nascemos para a felicidade.

A felicidade é a meta da vida de todos, tudo o que fazemos tem direta ou indiretamente o objetivo de atingir a felicidade, portanto, não deixe a felicidade cada vez mais distante, traga mais para perto essa meta, cada dia mais. Aproveite o presente, a felicidade está sempre no presente, jamais no futuro, não adie sua paz.

Buscar desesperadamente por algo é adiar a própria vida, a vida acontece no agora, tudo que você precisa está no seu interior. Portanto, pare de procurar eternamente fora o que sempre esteve te esperando dentro de seu coração. Todas as perguntas já estão respondidas dentro de você. Você é o que sente.
Sinta a luz de você mesmo!

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

O discípulo embriagado

"Um mestre tinha centenas de discípulos. Todos rezavam na hora certa – exceto um, que
vivia bêbado.
O mestre foi envelhecendo. Alguns dos alunos mais virtuosos começaram a discutir quem
seria o novo líder do grupo, aquele que receberia os importantes segredos da Tradição.
Na véspera de sua morte, porém, o mestre chamou o discípulo bêbado e lhe transmitiu os
segredos ocultos.
Uma verdadeira revolta tomou conta dos outros.
-Que vergonha! – gritavam pelas ruas. - Nos sacrificamos por um mestre errado, que não
sabe ver nossas qualidades.
Escutando a confusão do lado de fora, o mestre agonizante comentou:
-Eu precisava passar estes segredos para um homem que eu conhecesse bem. Todos os meus
alunos eram muito virtuosos, e mostravam apenas suas qualidades. Isso é perigoso; a virtude muitas vezes
serve para esconder a vaidade, o orgulho, a intolerância.
'Por isso escolhi o único discípulo que eu conhecia realmente bem, já que podia ver seu
defeito: a bebedeira'."

Paulo Coelho

Nunca fui fã de Paulo Coelho, mas este conto ilustra bem o que tenho sentido com relação a humanidade: As pessoas simplesmente renegam seu lado humano.
Eu me cansei de conversar com máscaras. A maior parte de meu tempo eu preciso lidar com pessoas idealizadas! As pessoas idealizam a si mesmas, adotam uma personalidade e interpretam como se estivessem num teatro, e o pior é que as vezes a gente entra na peça!
Conhecemos muitos atores por aí, as pessoas simplesmente escolhem um papel que lhes convenha. Como o exemplo do texto, todos decidiram ser monges! Provavelmente tem medo de interagir com o mundo, sobem em suas montanhas e se isolam, se um homem simplesmente sobe em uma montanha para isolar-se todos o acharão um louco, mas se ele diz "Sou um monge", todos irão reverenciá-lo! Monges não podem ficar bebados, porque não está no script! Tudo é apenas um papel que criamos para esconder nosso coração, andar de peito aberto é doloroso! Essa armadura nos convém, mas essa armadura pode proteger você de si mesmo?
Normalmente o papel que escolhemos é baseado na fraqueza que possuimos, se o seu papel for o de um cara durão, isso certamente é um mecanismo de defesa que esconde uma pessoa sentimentalista, molenga. O personagem interpretado é exatamente o oposto da verdadeira personalidade, apenas uma auto-afirmação.
Mas como saber se estamos lidando com um ator ou com uma personalidade real? É muito simples: Personalidade própria! Pessoas intensas, radiantes, emotivas com opinião própria são reais. Pessoas cansativas, repetitivas, chatas são apenas máscaras. Faça uma pergunta para elas e obterá uma resposta pré-programada e sistêmica. São quadrados, caretas e papagaios!
Repare que essas pessoas possuem palavras-chave que vivem repetindo, vocabulário limitado, gestos reprimidos, em resumo: são pessoas forçadas!
Esse tipo de gente é respeitada, com certeza, se não fossem o plano não daria certo e eles mudariam de personagem, aliás é comum que eles vivam mudando feito camaleões, apenas se adaptando ao meio sem jamais modificar o meio!
Ser respeitado é bom, mas ser amado é sublime! E quem é amado é odiado, quem é amado é amante, é intenso! Quem ama também odeia!
Adoro os arquétipos de vilões e anti-heróis porque eles são reais, humanos, suas maldades tem fundamentos geralmente em sentimentos profundos, eles são cheios de falhas de caráter e emoção, muito mais reais que os heróis. Os mocinhos apenas seguem as regras, antes que ele fale você já prevê o que ele vai dizer, seu altruismo e moralismo chega a ser nojento e enjoativo na maioria das vezes. Acho que é sobre isso que Paulo Coelho fala. Um monge bêbado! Que original! Ele é de fato muito mais amável que os outros monges, um personagem que nos conquista e certamente conquistou seu mestre.
Me disseram uma vez: "Nunca confie em alguém que não bebe!"
Isso faz sentido! Por favor, não quero icentivar o consumo de alcool, isso não diz respeito a bebida, mas sim aos vícios, aos defeitos, não confie em uma pessoa perfeita, pois ela não existe, certamente é um enganador!
Deixem de lado as máscaras, sejam orgânicos, vivos, humanos! Assumir os defeitos é o primeiro passo para superá-los! Não tenham vergonha de rir, de cantar, de chorar, de dançar! Liguem para a pessoa amada e diga que está com saudades, ame intensamente aquela pessoa que não tá nem aí pra você, chore quando sentir vontade, chore de sua desgraça e reclame, mas não se esqueça de rir depois! Meu Deus! Estão confundindo ter sentimentos com fraquezas! E mesmo se forem fraquezas, e daí? Qual o problema? Sejam fracos, os fortes são chatos e tristes!
Já que é para levar a vida como uma peça, pelo menos pensem como esse cara:

" A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios.
Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente,
antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos."

Chaplin

terça-feira, 14 de julho de 2009

Sem palavras

Essa sabedoria que segue abaixo resume tudo que venho tentando dizer esse tempo todo, tudo que está entalado, tudo que tenho aprendido. Essas palavras, conseguem, em minha opinião, superar todos os filósofos frustrados, conseguem ser tão objetivas quanto muitos dos médiuns, religiosos, sábios e mestres que tem me ensinado muito. É uma síntese, não somente do que quero dizer, não somente do meu aprendizado, mas também do que estou sentindo neste estágio que me encontro. Esse texto apareceu depois de tudo, depois dos objetivos serem atingidos, como uma forma do universo apenas frizar meu aprendizado, fixar e de uma vez por todas e me dizer: "Olhe para isso, contemple o que conquistou". Apenas quem se empenhou e quem sente muito profundamente o poder da aceitação e do amor compreenderá este singelo e maravilhoso texto que segue:
É importante dizer que este texto não é do Chaplin, alguém por algum motivo vinculou o texto a ele, mas não vamos nos apegar ao autor, mas sim ao aprendizado!

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Amor e Anarquia



Eu estive a muito tempo planejando este texto, pois queria escrevê-lo com uma certa paixão, estive esperando por um momento de inspiração e este momento chegou agora, durante uma conversa pelo msn com um amigo.
Pretendo expressar neste texto todo meu ideal, tudo aquilo que me trás esperança como ser humano e espero do fundo de meu coração que consiga cutucar seus corações de uma forma ou de outra, não quero que me compreendam, quero instigá-los, quero provocar algo aí dentro.

Imaginem uma sociedade livre das leis, livre das autoridades, sem reis, sem princesas, sem presidentes sem governo algum! Uma sociedade que te diga: Você pode existir do jeito que é!
Sem padrões de moda, sem padrões de beleza, sem preconceito racial ou preconceito algum. Você pode ser o que quiser nesta sociedade, não há uma força superior para regulamentar o que você deve ou não fazer, pode ler o que quiser, estara livre para amar quem quiser e onde quiser, esqueça a moral humana, esta sociedade seria totalmente imoral, porque simplesmente dentro dela você não teria malícia, você não precisaria ser malicioso, não há ciúmes nem inveja, só existe um sentimento de igualdade. Isso é anarquia, é igualdade, mas não imposta, onde todos devem vestir a mesma roupa e comer as mesmas coisas, uma igualdade em liberdade, todos sentem-se igualmente livres! Se todos sentem-se iguais, não há porque passar o outro para trás, seria tolice, seria como passar a sí mesmo para trás, isso é consciência, você é igual na diferença! Uma sociedade anarquista é uma sociedade sem ego, onde todos aceitam todos como são, e principalmente se aceitam como são! Sem repressão, apenas aceitação e aceitação é o amor! Quando aceitamos as pessoas sem o desejo de mudá-las estamos amando, amar é deixar ser, amar a sí mesmo é se permitir fazer o que se tem vontade, se permitir errar sem ter culpa, amar ao próximo é aceitar o próximo simplesmente, você o aceita como ele é, ele erra com você, mas você não o perdoa, porque antes disso você o aceita, sabe que ele é humano, e aceita o erro dele assim como aceita o seu, a palavra perdão perderia o sentido! Em uma sociedade anarquista não haverá pecado nem certo e errado, não precisamos disso! Quem ama e aceita o próximo não precisa saber o que é certo ou o que é errado, não precisa de um deus ditando isso, não precisa de um filósofo explicando isso, na verdade quem ama sente isso no coração. O amor é a única religião, é o único governo, e ele não governa por imposição, ele te preenche o coração e te faz pleno e completo, não há lacunas para Deus ou para iluminação, todos são deuses iluminados!
Agora você olha a sua volta e compreende o quão distantes estamos deste sonho que acabo de descrever, neste momento sua mente está criando ou já criou um monte de argumentos que certamente quebram esta utopia ao ponto disso tudo parecer engraçado! A mente certamente argumentará, a sociedade já cuidou para que esses argumentos estejam aí agora, os poderosos já implantaram os argumentos na sua cabeça, desde o jardim da infância você aprendeu isso! O primeiro passo para viver nesta utopia é deixar de chamar o anarquismo de utopia, é aceitá-lo como verdade! É parar com a razão da sua mente e seguir o coração! Só o coração sabe da verdade e a verdade é a mesma para todos, não existe uma verdade diferente para mim, existem percepções diferente! Posso perceber a gravidade de um modo diferente que você, mas ela é exatamente igual para nós dois!
Em essência somos todos bons, todos puros, com o tempo a sociedade nos corrompe, nos envenena! Os professores nos ensinam a ser boas crianças, a dividir, a não brigar, mas crescemos e vemos esses mesmos adultos fazendo guerras, matando, roubando e sendo egoístas de todas as formas. Você é passado para trás por alguém e já começa a mudar. Te enganaram, te ensinaram a ser bonzinho e o que você ganhou com isso? Absolutamente nada! Estamos acostumados com as recompensas, somos educados como os animais, na base da recompensa e da punição, daí você cresce e descobre que não há uma recompensa quando você dá esmolas para um mendigo, e nem uma punição quando você rouba. Daí criamos Deus para punir e recompensar assim como nossos pais faziam. Grande falha! Ensinamos pela razão e esquecemos do coração o resultado só poderia ser essa porcaria toda. Tudo isso é um lixo coletivo que foi vomitado nas nossas bocas desde a infância, uma grande hipocrisia. Fomos enganados sim! Daí surge a maldade, burlamos as leis de uma maneira ou de outra, como uma forma de estar acima disso tudo! Ensinam o cara a dividir tudo, mas ele sai nas ruas para pedir dinheiro enquanto o "filhinho de papai" passa exibindo-se com um lindo tênis da moda. Onde está o "vamos dividir"? Ensinam o cara a não se meter em brigas porque é feio brigar, daí ele apanha todos os dias dos valentões na escola e ainda vê a garotinha pela qual ele é apaixonado saindo com os mesmos valentões que arrancaram sangue de seu nariz. Daí ele se pergunta: Onde está o "Papai do céu gosta dos meninos bonzinhos"? Pro inferno! Ele entra na escola armado e se suicida após matar todo mundo. Conhecemos essas histórias. A sociedade corrompe, porque promete algo que não pode nos dar, nos sentimos frustrados, todos nós passamos pela frustração, pessoas sem estrutura emocional, simplesmente sucumbem. A resposta está no amor, na anarquia!
Quando amamos não queremos disputar, simplesmente aceitamos nossa situação, não nos sentimos enganados, não queremos vingança contra um indivíduo em específico, ele também é um pobre fracassado e está sendo apenas um reflexo de uma sociedade hipócrita, nós queremos vingança contra toda uma sociedade!
Isso mesmo, queremos vingança, todos sentem isso em seus corações, todos estão revoltados por dentro, porque todos fomos reprimidos! Mas o erro está no direcionamento desta vingança, direcionamos ela a alguém, temos raiva de alguém, alguns direcionam ela na forma de preconceito, machismo ou racismo contra algum grupo em específico: "Se fui assaltado por um negro, vou odiar a raça e pronto, problema resolvido, agora sei quem são os culpados por toda a violência"
A revolta não deve ser direcionada desta maneira, todos estamos no mesmo barco, a vingança deve acontecer contra todo o nosso sistema político, enquanto eles conseguirem te manter pensando que a anarquia é apenas uma utopia, você continuará direcionando sua revolta para seus semelhantes, é isso que a sociedade quer, quer que você permaneça cego.
Mas como se vingar de toda uma sociedade? Simplesmente ame-a! O amor é a vingança! Não caia no jogo! Comece por dentro, se você é capaz de amar a sí mesmo, se aceitar exatamente como é, então não haverá motivos pra se revoltar contra o outro, agora imagine todos amando e aceitando, não haverão intrigas, sem intrigas o sistema quebra! Qual a utilidade de um presidente se tudo já está em ordem? Pra que servirá um policial se ninguém tem desejo de roubar? Qual a função de um padre se todos já tem amor e felicidade no coração? As igrejas seriam abandonadas! O sistema irá falir quando todos souberem se amar!
Por isso eu digo, amor é aceitação, em um nível global, teremos uma anarquia espontânea, uma revolução sem violência. No começo será difícil, você se sentirá passado para trás, mas o que realmente importa está dentro do seu coração e isso ninguém pode corromper! O sistema apenas camuflou e entenrrou seu amor, mas ele ainda está aí! Eu não posso e não quero mudar o mundo, posso e quero mudar a mim mesmo. Cada um faz sua parte! É incrível como eles insistem no poder do seu voto dizendo que ele faz a diferença, mas não ensinam que se apenas amar, você também faz a diferença! Na verdade votar não faz diferença, todos os partidos são podres só pelo fato de existirem, eleger alguém para te representar é se auto-declarar incapaz de ser responsável pela sua própria sociedade. Você faz a diferença quando ama, quando sorri, quando é feliz, quando abraça ou beija e não quando vota! Seu maior voto é o voto de confiança no amor e na anarquia!

Imagine
John Lennon

Imagine there's no heaven,
It's easy if you try,
No hell below us,
Above us only sky,
Imagine all the people
living for today...

Imagine there's no countries,
It isnt hard to do,
Nothing to kill or die for,
No religion too,
Imagine all the people
living life in peace...

Imagine no possessions,
I wonder if you can,
No need for greed or hunger,
A brotherhood of men,
imagine all the people
Sharing all the world...

You may say I'm a dreamer,
but Im not the only one,
I hope some day you'll join us,
And the world will live as one

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Vaidade Espiritual



As vaidades sempre vem nas mais variadas formas, quando falamos "vaidade" logo imaginamos aquele estereótipo de pessoa bem arrumada, elegante. Quero deixar desde já uma coisa bem clara sobre o meu ponto de vista sobre a vaidade. Ela é diferente da auto-estima, na verdade são duas forças opostas, auto-estima diz respeito ao seu eu interior, sua alma, vaidade diz respeito ao seu ego, seu eu exterior, como você quer ser visto pelas pessoas. Muitas pessoas não entendem isso, e acham bonito ser vaidosas, enxergam a vaidade como uma qualidade. Ela não é qualidade, vaidade é defeito, te distância da verdade, te ilude, dá espaço de sobra para a frustração. Normalmente pessoas vaidosas não tem auto-estima, são vaidosas porque procuram fora delas a aceitação que elas mesmas se negam. Já a auto-estima, é amor próprio! É muito simples, não tem muito o que ser explicado, amor é incondicional, você se ama, ou seja, você se aceita como você é e foda-se os outros! Simples, né? Acho que as pessoas autênticas são pouco vaidosas, pois para ser autêntico, até mesmo em se vestir, você precisa ligar o "foda-se", ou seja, você diz para sí mesmo: "Olha, você pode ser você mesmo, pode vestir essa camisa que todo mundo acha ridícula se você gosta, deixe que eles riam da sua cara, eles são uns pobres coitados seguidores da moda". Você se permite ser! O que é maravilhoso!
Mas não existe só a vaidade física, existe a vaidade intelectual, a vaidade moral, a até a vaidade espiritual. Quero falar sobre a vaidade espiritual pois ela é a que mais me preocupa, pois nosso lado espiritual vem justamente para superar todas as vaidades, é importante não poluir ele com o ego! A princípio parece estranho falar em "vaidade espiritual", mas vou explicar como essa porcaria funciona: O cara vaidoso é aquele se veste e se embeleza para os outros, certo? O vaidoso espiritual é aquele que veste uma máscara de "ser espiritual" esperando a aceitação e admiração dos outros. Agora entra o paradoxo: Muitos vaidosos espirituais deixam de cuidar da aparência por vaidade! Pois mostrando-se "largados" passam uma impressão de "seres evoluidos e desapegados da matéria". Entenderam onde quero chegar?
Logo quando comecei a descobrir algumas verdades, quando comecei a me desiludir com o mundo e atingir uma certa maturidade espiritual, confesso que fui tomado por uma vaidade, um ar de arrogância, isso é muito comum, você começa a meditar, fica mais tranquilo e vê todo mundo nessa correria cotidiana, se preocupando com coisas mundanas supérfulas e fúteis, você automaticamente pensa: "Coitados, ainda não descobriram que se preocupar não mudará a vidinha medíocre deles". E tem também aquela vaidade em forma de disputa, tipo uma "corrida para a iluminação", você se compara para ver quem sabe mais sobre os assuntos espirituais, quem medita melhor? Quem está mais evoluído? Entre em uma comunidade budista, ou em uma comunidade do Osho no orkut e você entenderá sobre o que estou falando!
Isso me entristece (e irrita) profundamente, pois estamos aqui para evoluir, o cara já ouviu, já entendeu, já tem a responsabilidade, mas insiste no ego até mesmo na hora de ser espiritual! É paradoxal, é de longe o pior defeito que alguém que busca a luz pode ter, e é fato que todo mundo que busca a luz, um dia passou por isso! É apenas o primeiro passo! Entendam, ter um pouco de vaidade é natural, somos todos seres humanos, ter ego é natural, enquanto eu escrevo este texto estou usando muito de minha vaidade e de meu ego, mas tomo muito cuidado para que eles não me dominem, compreendem? Não deixem que isso domine, seja seu próprio mestre, pelo menos dentro da sua espiritualidade, não use a espiritualidade como forma de se auto-promover para os outros! E daí que você se iluminou? Ninguém liga, de verdade! Ninguém liga! Parece besteira, mas se iluminar não é uma medalha, você fez por você, sua vida continua a mesma, o que você pode fazer é ser humilde e mostrar para as pessoas um atalho, e elas seguem se quiserem, normalmente elas não seguem, a queimadura sempre ensina mais que o "não toque o fogo", mas você pode dizer que pelo menos avisou, não é mesmo?
Nós que estamos aqui buscando luz, buscando compreender e entender os mistérios da vida, aprendendo a ser felizes, buscando o sentir acima do pensar, aprendendo a amar uns aos outros, e a nós mesmos precisamos nos afastar da vaidade espiritual. Não somos melhores que ninguém! Somos todos seres capazes e acredito que um dia todos estaremos iluminados. Somos um!

sábado, 9 de maio de 2009

Desatando nós


A ausência que se fez presente por muito tempo neste blog é interrompida por um lampejo, uma nova percepção que é na verdade uma síntese de muitas percepções anteriores, uma conclusão. As vezes, quando não tenho nada de bom para dizer, prefiro calar, ou talvez quando me falta a vontade de compartilhar, deste modo procuro sempre a sinceridade, não apenas com os leitores, mas comigo mesmo. Porém hoje, me caiu mais uma ficha, minha vida flui melhor e acabo de perceber o porque. Desfiz alguns nós.
Os nós são conflitos que temos com a realidade, conflitos em aceitar as coisas tais como elas são, olhar o mundo com o olhar apurado da alma e não com o olhar esquizofrênico da mente. As coisas são o que são, quer você goste ou não. As pessoas são só as pessoas, não são extenções de sua vontade, não há porque depositar nelas expectativas, elas falham e você não pode reclamar, porque você também falha! E é aí que mora a beleza da vida, a beleza da falha, a beleza de se permitir errar. Isso não aprendi comigo apenas, aprendi ao aceitar humildemente muitos conselhos de pessoas de bom coração, aprendi ao aceitar minhas próprias falhas e ao abandonar o desejo de mostrar para o mundo uma auto-imagem minha cheia de fantasias. As críticas são dolorosas quando não conseguimos compreende-las, mas se você as compreende, elas são como guias, vocês destila delas algo de bom. Lembre-se, nem todas as críticas são verdadeiras e nem todas elas são falsas, cabe a nós encará-las com muita humildade no coração, deixando de lado as mágoas e a auto-imagem.
Quando encaramos a vida sem grandes pretenções, sem ambições ou desejos, sem comparações, nos sentimos mais plenos, mais tranquilos. A alma precisa disso para existir, precisa que você deixe de lado as expectativas, ela precisa também que você se permita errar, errar sem culpa. Se tem vontade, simplesmente faça! Ponderar é diferente de se segurar. Ponderar não é ter medo de errar, muito pelo contrário, é pensar na melhor forma de enfrentar o desafio, de encarar o obstáculo, e no final você percebe, vencendo ou não o obstáculo, que ele nunca existiu de fato, que o obstáculo é apenas uma projeção mental, um problema só existe na sua mente, na sua falta de capacidade em aceitar a realidade, na sua própria falta de percepção. Portanto, não existe erro ou acerto, existe apenas o experenciar, não existe culpa, existe uma alma dentro de você, sedenta pela vida!
Quando não estamos plenos, sentimos os nós da vida. Esses nós nada mais são do que conflitos, conflitos entre o interno e o externo, iluminar-se é simplesmente eliminar esses conflitos, eliminar as dificuldades em ver as coisas como elas são, sem dramas, sem tristeza. Quando criamos expectativas sobre uma pessoa por exemplo, estamos querendo que ela seja o que nossa mente criou e não o que ela é. Isto é um nó!
Quando ficamos remoendo uma situação que já se passou, estamos desejando que o tempo volte, ficamos recriando a situação como ela "deveria" ser, estamos idealizando o que segundo nosso ponto de vista limitado "deveria" ser o "correto". Isto é um nó!
Quando damos força as opiniões alheias sobre nossa pessoa, alimentamos um desejo doentil de transformar uma auto-imagem em realidade. Isto também é um nó!
Os nós sempre são conflitos do que achamos que deveria ser com o que é de fato a realidade. Uma dificuldade em aceitar o mundo, uma vontade doentia em transformar o mundo em uma extenção de nós mesmos. Isso gera amargura, depressão, raiva, sentimentos muito negativos, pura alucinação!
Mas quando escolhemos o outro lado, o lado da aceitação, simplesmente não esperamos nada, nem do mundo, nem dos outros e nem de nós mesmos, respeitamos nossos limites com humildade, pois esta é a verdadeira humildade, não existe humildade maior do que se aceitar como é, sem esperar elogios, sem se magoar com as críticas. Deus disse para Moisés: "Eu sou o que sou." Uma resposta autêntica, despretenciosa, humilde, taoísta, zen...
O Zen budismo todo é baseado num conto sobre a lótus, onde Buda pergunta para todos os seus discipulos, com uma lótus na mão, o que eles estão vendo. Entre poemas, citações e filosofias metafísicas, um monge simplesmente responde o que Buda esperava ouvir: "Uma lótus"
Não precisamos de filosofias grandiosas e magníficas, não precisamos complicar, justamente pelo contrário, precisamos descomplicar, parar de querer entender tudo e nos fazer entender. Uma lótus é uma lótus, você é o que é! Simples assim! Está tão na cara que somos incapazes de perceber, é tão fácil!
Os conflitos que nos distanciam da realidade são essas complicações que nossa mente cria, é sempre uma dificuldade de aceitar o que está fora, é querer controlar, é desejar que o mundo seja sua vontade e semelhança é querer que todos pensem como você, isso é o mais puro egoísmo!
Olhe com os olhos da alma, olhe as coisas simplesmente como elas são e não como deveriam ser segundo sua pretença ilusão.
Desiluda-se, desfaça os nós, desapegue, seja um nada e se abra para tudo!

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Sophie


Este é um antigo sonho que escrevi já tem alguns anos. Gosto muito dele, e quero compartilhá-lo:

Sophie


Sonhei que vi um cientista inventar um robô, no começo fiquei com medo e repudiei a idéia, aquele monte de fios e engrenagens expostas se mexendo por vontade própria não me agradou nem um pouco, mas depois de terminada a criação, todo aquele monte de fios e cirquitos estavam por debaixo da pele de uma linda garota. Eu gostei e me envergonhei por ter repudiado aquela linda garota, afinal de contas, se arrancarem minha pele o que sobra é muito pior que um monte de fios engrenagens e circuitos!

Logo comecei a conversar com ela e passeamos pelas ruas, e senti que ela era mais humana que os próprios seres humanos, parecia curiosa, interessada em tudo a sua volta e agia com muita ternura. De algum modo que apenas um sonho poderia explicar me apaixonei por ela e ela por mim e eu a chamei de Sophie (Sofí). E assim Sophie e eu estávamos felizes um ao lado do outro, simplesmente desfrutando de boas conversas e um da companhia do outro.

Ela tinha muito a aprender e sempre sorria quando eu lhe ensinava algo novo, dizia que gostava muito de mim e parecia muito afetuosa também e eu sentia que ela precisava de minha companhia e me senti acima de tudo, muito importante para ela.

Porém esse mesmo cientista apareceu e me explicou que Sophie na verdade não possuia sabedoria alguma (ao contrário do significado do nome Sofia ou Sophi em francês, ambos significam sabedoria), me disse que tudo que ela possuia era uma inteligência artificial, e que por mais que se assemelhasse aos nossos sentimentos, tudo não passava de uma simulação, uma mentira pré-programada.

Me senti muito triste ao saber disso, e acima de tudo muito bobo por ter me apaixonado por um ser que não me correspondia de verdade, me senti manipulado, mas não consegui ignorar o sentimento que tinha. Após pensar um pouco concluí que os chips dela e meu cérebro funcionavam da mesma forma, ambos eram pré-programados para garantir a integridade de nossos seres, ambos funcionam a base de impulsos e ausência de impulsos elétricos gerando informações 0 e 1, tudo e nada, yin e yang, e então lancei a questão ao cientísta:

- Será que nossos sentintimentos não são apenas uma simulação também?

E ele respondeu:

- Somos diferentes, essa máquina pode jurar que sente o que sente, mas na verdade não sente!

E eu perguntei:

- Pode provar isso? Pode me provar o que você sente?

Depois disso o sonho se nublou um pouco em minha memória, apenas me recordo de ter visto os chips de Sophie espalhados por cima de uma mesa, desmontados e mortos, como um corpo humano esquartejado.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Plenitude


Plenitude

Enfim pleno! Uma folga na luta cotidiana, um oásis no deserto da sua mente. Lutamos contra nós mesmos, pelo menos as pessoas que buscam um compreendimento maior do mundo, que buscam um nível mais elevado de consciência, vezes ou outras precisam lutar, lutar contra seus egos, conflitam, se frustram, sofrem! Até que um dia são dominadas por este sentimento maravilhoso de plenitude. Não se sentem mais ricas nem mais belas e nem mais importantes. Mas compreendem que a única riqueza é a sabedoria, a única beleza é a aceitação e a única importância é que parte de você para você mesmo. A plenitude é na verdade um grande vazio, você simplesmente desiste, olha para as pessoas, todas lutando por atenção, carentes, querendo inflar um pouco de seus egos e desiste de ser assim, deixa que eles vençam, passa a não precisar mais deles, sendo assim está seguro em sí, confia no universo, confia em você mesmo. Não precisa mais de conselhos alheios, porque sabe que não existe conselheiro melhor que seu coração, não precisa ser idolatrado nem amado pelos outros, pois não existe maior amor do que o amor próprio, não quer alguém que te complete, você é completo. Apesar de imperfeito, apesar de falho, você é completo, pois aceita sua imperfeição, aceita suas fraquezas sem culpa, e sendo assim está preparado para superá-las se elas estiverem te atrapalhando. Você não se completa, apenas nota que sempre foi completo, porque é único, original. Sente-se feliz por ser você mesmo, agradece por ser simplesmente você!
Este estado de plenitude consiste em se assumir, se aceitar, fazendo isso você tira a importância que dá para as coisas que estão fora e direciona todas suas energias para o que está dentro, para sua verdade. O ego está preso fora de você, ele quer mostrar as coisas para os outros, ele é um exibido, um carente, por isso quando ficamos sozinhos ele não encontra utilidade, tudo o que está fora é ilusório, um mero reflexo do que está dentro. Tudo vem de dentro para fora! E é exatamente isso que o ego não entende, uma pessoa apegada ao ego, espera sucesso exterior para se sentir bem! O sucesso deve ser sentido por dentro primeiro, pois a alma não pode se sustentar com o que vem de fora. E é aí que mora a plenitude: Em não esperar nada de fora, nada dos outros, em não desejar.
Obviamente ninguém está livre do ego, mas podemos controlar isso, podemos tomar consciência do que é ego e do que é alma, nunca deixaremos de sofrer, mas podemos reduzir cada vez mais o sofrimento simplesmente desistindo de ouvir o ego, desistindo cada dia mais de seus caprichos e assim, cada dia mais vamos ficando plenos, cada dia mais vamos deixando um capricho de lado, vamos abandonando assim os valores podres que nos foram enfiados na cabeça e vamos ficando vazios e ao mesmo tempo plenos, vamos sendo transbordados com essa plenitude.
Não espere mais nada de ninguém, além de você mesmo. Confie no que você sente acima do que os outros dizem. Veja as coisas como elas se mostram e não como elas se parecem. Autoconfiança não é saber de tudo, mas não ter medo de errar. No momento certo você irá errar, deixe que o erro aconteça sem que ele abale sua confiança, quando aceitamos que somos imperfeitos, não choramos nossos erros, não choramos o leite derramado, a verdadeira perfeição está em aceitar sua imperfeição, a verdadeira sabedoria mora em compreender que você não sabe nada! Deste modo, só temos a ganhar, deste modo estamos sempre plenos! Desista de tudo e seja pleno de nada!

"O único desejo do sábio é não ter desejos"

Lao Tsé

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Até quando?



Até quando?

Até quando você pode suportar as cobranças? Até quando terá de aguentar que eles digam o que você deve ou não fazer? Até quando permitirá que eles escolham o que você veste, o que você come, seu corte de cabelo, os livros que são bons ou ruins, ou seja, seus valores? E principalmente, até quando você vai continuar fazendo papel de palhaço, sacrificando-se para ser legal com os outros, mendigando atenção?
É hora de acordar! Parar de seguir modas e tendências externas, a única tendência que você pode seguir é a tendência da sua alma, ela é a única que te conduz ao contentamento, mas ao invés disso você insiste em comprar roupas da moda, eles te manipulam tão facilmente, você acha que está fazendo sucesso, quando na verdade é um fracasso, um fracasso como ser, o ego se enche e o eu fica perdido. Eles dizem o que você vai vestir neste verão e você apenas obedece, não quer escutar os sussurros da alma, no fundo você nem gosta da roupa, mas compra para agradar aos outros, quer ser "melhor", não assume seus gostos porque morre de medo de parecer diferente, estranho. Por isso eu admiro as pessoas exóticas, estranhas e esquisitas. Elas carregam consigo sua dignidade, ousam não gostar do que todos gostam, ousam remar contra a maré, merecem reverências, com certeza! Originalidade é tudo!
Eles também ditam os livros e filmes que você deve assistir, os vestibulares cobram sempre os mesmos livros, eu não tenho nada contra esta literatura, mas nunca a coloquei num patamar superior, sempre evitei os livros da escola, ou os lia com um desdém apenas para tirar minhas notas, e é assim o tempo todo, não me agradava ler esses livros pelo simples fato de que eu deveria ler, definitivamente temos o direito de questionar nossos deveres, a palavra "deveria" é tão limitadora, pense em quantos livros você poderia ter lido! Existem milhares, milhões, para todos os gostos, mas você permitiu que eles escolhessem o que você deveria ler. Submeteu-se ao que eles acham que é bom, a vontade deles. Todos nascemos com o poder de questionar, o poder de escolher, mas poucos usufruem deste poder, você tem esse poder, mas eles conseguiram! Depois de anos trabalhando na sua mente, eles te limitaram, na verdade a manipulação é tanta que eles fizeram com que você mesmo abdicasse a esse poder. A leitura é fenômenal, desde que você leia o que precisa ler no seu nível de evolução, ninguém pode saber o que você precisa ler além de você mesmo! Para aprender precisamos ser curiosos, para ser curiosos precisamos ser grandes questionadores e isso nos trás originalidade! Questionar, escolher, pensar por sí descartando as opiniões dos outros, isso te faz único, você nasceu para ser único.
Mais uma vez, digo que a solução de tudo está no controle de seu ego, deixe o ego ruir, deixe sua vontade fluir, não tente se moldar para agradar ninguém além de você mesmo, o contentamento não mora nos outros, você não deve nada para eles e quanto mais você tentar agradar o que está fora, menos agradará o que está dentro, ou seja: seu ser. O ego se preocupa com sua imagem, com "o que eles pensarão?" deixe que te chamem de burro por não ter lido Dom Casmurro, deixe que te chamem de feio por não vestir Nike ou por não usar o penteado da moda, deixe que te chamem de estranho porque é isso que você é no seu interior, todos nós somos estranhos uns para os outros porque todos somos diferentes. Tenha coragem de mandar os outros para merda, pare de se importar com o que eles estão pensando ou deixando de pensar, deixe que criem antipatia por você, isso é bom! Quando somos únicos obviamente não agradamos a todos, agradamos apenas a quem gosta realmente da gente, agradamos a quem não se importa com o que vestimos, lemos ou falamos, agradamos a quem nos aceita como somos, agradamos as pessoas certas! As pessoas erradas que se fodam! Essas pessoas nem combinam com você, percebe? Depois que você se assume como é, depois que você se aceita, isso se torna muito claro, transparente como a água, daí você percebe quanto tempo perdeu tentando ser "legal", tentando ser medíocre! Se você está tentando ainda e não está tendo sucesso, agradeça! Agradeça pelo seu não sucesso, agradeça sua impopularidade, isso é uma benção, um recado para você desistir! Desista de toda essa merda agora! Seja livre! Não deseje ser amado por eles, não seja carente!
Depois que você entende isso, depois que você abandona essa manipulação, tudo muda! Você se sentirá finalmente único, não será melhor, nem pior, mas saberá que é único, e no final verá que era isso que precisava, mesmo que ninguém além de você mesmo reconheça sua originalidade, mas te garanto que no final, as pessoas despertas como você, também o reconhecerão e irão lhe admirar pela sua ousadia. Depois de aceitar e desistir das regras do ego, finalmente seu ser, sua alma, sentirá vitória. Só existe esse tipo de sucesso no mundo, o sucesso do ego é uma ilusão, o contentamento do ser é a verdade. A vitória da alma só vem depois do fracasso do ego. Até quando um ser humano se permite ser dominado pelos outros? Até quando ele continua dominado pelo próprio ego.

"Quem pode restituir à vida o que tão morto nos parece?

Só quem sintoniza com a alma do Infinito! -Só quem não busca o seu próprio ego, mas demando o seu Eu real,mesmo quando tudo lhe falta.

Aquele que segue o Caminho Perfeito não deseja estar cheio de coisa alguma.

E por não estar cheio de si mesmo pode parecer que está gasto, inútil e desprovido da perfeição temporal dos homens.
"

Lao Tsé

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Solidão



Solidão


De repente você está sozinho. É inevitável, por mais popular que você possa ser, por mais pessoas que você conheça, por mais que te liguem de dez em dez minutos, aconteceu! E agora tudo que lhe resta é você mesmo, não há mais ninguém além de você. Já reparou como somos inúteis sozinhos? A utilidade é algo social, eles te criaram para ser útil socialmente, mas sozinho você não presta para nada, sozinho não tem mais porque usar as máscaras, elas caem, sozinho você tem que se enfrentar, a solidão é um espelho e por isso ela é tão triste, e ao mesmo tempo tão maravilhosa!
Alguns filósofos e psicólogos, sempre insistem na morte como maior medo do homem, mas eu acrescentaria algo a essa inteligente observação, o medo não é da morte em sí, mas o medo é da solidão, pois a morte implica em abandonar tudo, deixar todos seus amigos, parentes, amantes, obejetos e talvez até você mesmo, seu corpo, alguns aspectos da sua personalidade como o ego, o que lhe sobra? Você fica nú, sozinho, a morte é um encontro inevitável com a solidão, por isso é temida, ninguém pode passar por isso a não ser você, é a sua morte, você deve partir e não haverá segurança alguma, você parte para algo insondável, parte para um lugar desconhecido, mesmo se estiverem segurando sua mão, mesmo se estiver rodeado de pessoas dando a você muito amor, você partirá, a mão que eles seguram não mais será sua, e a solidão te dominará!
Todos nós passamos pela solidão, sem excessões, as vezes nos sentimos sozinhos, mesmo rodeados de pessoas, lá está você no dia do seu aniversário, rodeado de presentes, parentes, amigos, beijos e abraços e de repente sente o doce toque da solidão, um lembrete de que você está sempre sozinho, dentro de você não há ninguém além de você mesmo. Encarar isso é doloroso, mas ao mesmo tempo muito libertador, depois que nos acostumamos com a idéia da solidão sentimos uma certa liberdade, uma liberdade que apenas a verdade pode nos trazer, aceitar verdades é adquirir liberdade, e aceitar a solidão é uma das maiores liberdades que um ser humano pode desfrutar. Liberte-se agora, desista de tentar preencher o vazio da solidão, essa lacuna sempre estará aí, nem amigos, nem pais, nem amantes, nem filhos, nem Deus, nada poderá preencher este vazio, você pode se enganar por fora, mas quando encosta a cabeça no travesseiro a verdade aparece. Na verdade quando nos enganamos é ainda pior, pois isso surge de uma maneira ou de outra, ou vai pela compreenção ou vai pelas dores, tudo o que reprimimos volta de uma maneira dolorosa, como uma depressão, como aquele medo de morrer que te domina assim que acorda, tudo isso é sinal de que você está reprimindo a verdade da solidão.
Medite, sinta esse vazio agora mesmo, ele pode parecer doloroso a primeira vista, mas entenda que esse vazio é só seu, ele é sua parte mais íntima, ninguém poderá compreendê-lo além de você, ele é um presente de Deus e apenas você poderá desembrulhar o pacote, é a chave de sua alma, sua individualidade, dentro deste vazio nada faz sentido, não precisa fazer sentido, não precisa ser socialmente útil, não precisa da mente, nem das palavras, nem de nada, as palavras são criadas para comunicar aos outros uma idéia, as vezes elas nos ajudam em solidão a organizar nossas idéias, mas nada além disso, dentro deste vazio elas se tornam inúteis, pois existe algo muito maior, o sentir, o experenciar, esse vazio tem o tamanho do universo, existe muito a ser descoberto por lá, mas isso só você poderá explorar e entender, não existirão palavras para descrever, nem imagens nem cheiros, nem sons, nem nada.
Depois de experenciar a solidão, ela se torna viciante, você primeiro se encara, luta em vão contra você mesmo, depois desiste da luta e aceita a derrota, e tudo que lhe resta é o vazio, neste estágio nos sentimos bem, nos sentimos únicos e verdadeiros, estamos sendo finalmente sinceros conosco! Depois tudo volta ao normal, você tem uma vida social, precisa das palavras para comunicar, precisa dos amigos para rir juntos, mas agora você está consciente de sua solidão e por vezes o ego se entristecerá, pois ele saberá do tamanho de sua inutilidade, ele sabe que perdeu, sabe que está praticamente morto e irá te perturbar sim! Não há como fugir, Jesus Cristo, Buda, Jó, Lao Tsé e outros grandes mestres passaram por isso, você também passará ao seu modo, esta é a tristeza da qual você nunca fugirá, a verdade liberta, mas dói! Ela liberta o Eu Superior do ego, e dói no ego, como todos temos ego, todos sentiremos isso, esta é a tristeza de ser livre, ser livre implica em ser sozinho. Entendam bem, não digo para não casar, para não ter amigos, para não viver em sociedade, se isolar no alto de uma montanha ou se fechar dentro de você mesmo é covardia, é temer a vida! Estou dizendo que ser livre implica em ser sozinho, pois mesmo com as pessoas e com a sociedade, estamos sozinhos, você não joga fora as máscaras, mas sabe o momento certo de vestí-las e tirá-las, sabe o momento certo em ligar de desligar o ego, agora você é senhor do seu ego, você o domina e não permite mais que ele te domine! Espero que entendam muito bem isso, pois este é realmente um desafio para todos nós, não lutar contra o ego mas sim dominá-lo. O ego é uma criança mimada que quer atenção, se você luta contra ele, você o dá a atenção de que ele precisa e ele se infla, quanto mais você luta contra, mais alimenta, para vencer o ego, devemos deixar que ele atue nos momentos oportunos, nos momentos inoportunos, quando ele nos entristece, apenas ignore-o. É como ignorar uma criança que faz birra, ela logo para e desiste, mas se você alimenta suas vontades ela se tornará um adulto birrento e mimado, um fracassado total!
A dor da solidão é um presente que te faz sentir vivo, ela é o choro de todos os mestres. Você notará que está sozinho, as pessoas gostam de você, mas não te enxergam mais como antes, você está lá, mas está desligado, este desligamento é doloroso, você se sente um inútil, sem respeito ou conhecimentos, eles se aproximam para pedir conselhos, esperam sua aprovação, mas não estão mais com você, é inexplicável, é doloroso demais! Haverão muitos momentos de dor, chore essa dor! Não a ignore! Todos os mestres choraram essa dor, mas por fim sossegue seu coração e sinta sua liberdade, e assim se sentirá, mesmo que por um breve momento, livre do ego, livre do medo da solidão, pois você terá aceitado ela, e finalmente livre do medo da morte, eu diria que você se liberta da própria morte.
Na minha opinião, não existe nada mais apropriado para descrever a dor e a beleza da solidão do que este poema de Lao Tsé:

O Aparente Fracasso do Homem Espiritual

Renunciai à vossa pretensa cultura,

E todos os problemas se resolvem.

Oh! Quão pequena parece à diferença entre o sim e o não!

Quão exíguo o critério entre o bem e o mal!

Como é tolo não respeitar o que merece ser respeitado de todos!Alinhar ao centro

Oh solidão que me envolve todo!

Todo o mundo vive em prazeres como se a vida fosse uma festa sem fim,

Como se todos vivessem em perene primavera!

Somente eu estou só... Somente eu não sei o que farei...

Sou como uma criança que desconhece sorriso...

Sou como um foragido sem pátria nem lar...

Todos vivem na abundância, somente eu não tenho nada...

Sou um ingênuo, um tolo. É mesmo para desesperar...

Alegres e sorridentes andam os outros!

Deprimidos acabrunhado ando eu...

Circunspetos é ele, cheios de iniciativas!

Em mim, tudo jaz morto...

Inquieto, como as ondas do mar, assim ando eu pelo mundo...

A vida me lança de cá para lá, como se eu fosse uma folha seca...

A vida dos outros tem um sentido, e eu não tenho uma razão-de-ser....

Somente a minha vida parece vazia e inútil;

Somente eu sou diferente de todos os outros,

E, no entanto - sossega meu coração!

Tu vives no seio da mãe do Universo.


Tao Te King.
Lao Tsé

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Sonhos e Alucinações


Sonhos e Alucinações

Não só dos sonhos noturnos nossa alma necessita. Não devemos nunca nos esquecer de sonhar acordados, mas não falo aqui sobre aquele estereótipo de sonhador que vive com a cabeça nas nuvens e os pés fora do chão, falo sobre o sonhador ponderado, que reconhece e principalmente aceita a realidade tal como ela é, sem perder sua ternura.

As pessoas normalmente demoram muito para se acertar, ou estão em um extremo, ou estão no outro, raramente equilibram-se no meio termo, demoram a encontrar o "caminho do meio" como Sidharta Gautama nomeou este estado de plenitude. Ou seja, hora estamos nas nuvens, hora estamos com a cabeça abaixada olhando para o chão, ou sonhamos desvairadamente ou nos afogamos em um pessimismo absurdo ao qual insistimos chamar de realismo. É justamente por isso que a felicidade parece muitas vezes uma criança fujona, ela existe dentro de nosso peito, no fundo de nossa alma e nós muitas vezes não paramos para ouvir sua doce voz, ao contrário disso, afugentamos ela com nossas próprias alucinações que normalmente são confundidas com sonhos, mas como podem ser sonhos se prejudicam nossa própria alma? Para agradar a essa criança chamada alma, tudo que temos de fazer é simples: Aceitá-la tal como ela é. Está aí a diferença, está aí o "caminho do meio"!

Portanto, existem os céticos e seu "pessimismo-realista" que simplesmente ignoram a existência de uma alma e limitam seu mundo aos estímulos físicos, existem os alucinados e seus "sonhos-fuga", ao contrário dos céticos eles fogem do mundo real e se aprisionam em suas próprias mentes e por fim existem os poucos sonhadores, pessoas que escutam sua alma com respeito e aceitação.

Os céticos estão por toda a parte, é muito fácil encontrar um deles, normalmente rancorosos e sempre se acham grandes batalhadores, sua vida limita-se ao trabalho e a suprir suas necessidades básicas de seu corpo animal, como estamos aqui para debater os sonhos, ignoremos os não sonhadores. Os alucinados usam seus sonhos como forma de fuga, já que a realidade não os agrada, resta a eles este doce espaço em suas mentes, onde tudo é perfeito (como a sociedade quer) e seu ego pode ser falsamente alimentado, porém em seus momentos lúcidos são tomados por uma tristeza e auto-piedade indescritíveis. Pessoas assim normalmente tendem a tornar-se depressivas, apáticas e socialmente debilitadas, o que chega a ser um paradoxo, "sonhos " trazendo infelicidade e sofrimento. E por fim, os raros sonhadores, são pessoas auto-suficiêntes e decididas, não sonham por necessidades do ego, mas sim pelo prazer de ouvir a voz da alma, a diferença entre os sonhos deles e os sonhos dos alucinados é simples: Eles não anseiam, eles desfrutam, eles não sonham para compensar frustrações, eles não esperam nada de seus sonhos além de o prazer de sonhar e de imaginar algo melhor, sabem que tudo depende de suas energias e os sonhos são um caminho para a fluência dessa energia positiva, portanto não se preocupam.

Pense nisso, seus sonhos devem trazer a você energias positivas e essas energias trarão a realização de seus sonhos, não se alucine, não escute os desejos megalomaníacos de seu ego, mas sim os sussurros de sua alma. Uma pessoa pode sonhar com uma vida de farturas e riquezas de duas maneiras diferentes, comportando-se como uma criança mimada que quer tudo na hora e se frustra quando seus sonhos (alucinações) não condizem com sua realidade, ou comportando-se como um sonhador, aceitando seus defeitos e as peculiaridades de sua alma, vislumbrando algo melhor e celebrando a felicidade e satisfação por saber que o mundo está aos seus pés.

Aceite a sí mesmo e a sua realidade sem tristeza ou auto-piedade, aceitando a sí mesmo, terá uma nova percepção sobre seus sonhos. Sonhe com a alma, sem se importar com os padrões pré-estabelecidos, seus sonhos não tem limites, coloque a sí mesmo dentro do sonho e não a imagem que a sociedade criou de você, isso é alucinação e não-aceitação, se o fizer desta maneira, estará negando a sí mesmo em seu próprio sonho e ao invés de dar um passo a frente para realizá-lo, estará vergando-se para a realidade até mesmo dentro de um sonho. Em outras palavras coloque os pés no chão e sonhe!