mapa

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Plenitude


Plenitude

Enfim pleno! Uma folga na luta cotidiana, um oásis no deserto da sua mente. Lutamos contra nós mesmos, pelo menos as pessoas que buscam um compreendimento maior do mundo, que buscam um nível mais elevado de consciência, vezes ou outras precisam lutar, lutar contra seus egos, conflitam, se frustram, sofrem! Até que um dia são dominadas por este sentimento maravilhoso de plenitude. Não se sentem mais ricas nem mais belas e nem mais importantes. Mas compreendem que a única riqueza é a sabedoria, a única beleza é a aceitação e a única importância é que parte de você para você mesmo. A plenitude é na verdade um grande vazio, você simplesmente desiste, olha para as pessoas, todas lutando por atenção, carentes, querendo inflar um pouco de seus egos e desiste de ser assim, deixa que eles vençam, passa a não precisar mais deles, sendo assim está seguro em sí, confia no universo, confia em você mesmo. Não precisa mais de conselhos alheios, porque sabe que não existe conselheiro melhor que seu coração, não precisa ser idolatrado nem amado pelos outros, pois não existe maior amor do que o amor próprio, não quer alguém que te complete, você é completo. Apesar de imperfeito, apesar de falho, você é completo, pois aceita sua imperfeição, aceita suas fraquezas sem culpa, e sendo assim está preparado para superá-las se elas estiverem te atrapalhando. Você não se completa, apenas nota que sempre foi completo, porque é único, original. Sente-se feliz por ser você mesmo, agradece por ser simplesmente você!
Este estado de plenitude consiste em se assumir, se aceitar, fazendo isso você tira a importância que dá para as coisas que estão fora e direciona todas suas energias para o que está dentro, para sua verdade. O ego está preso fora de você, ele quer mostrar as coisas para os outros, ele é um exibido, um carente, por isso quando ficamos sozinhos ele não encontra utilidade, tudo o que está fora é ilusório, um mero reflexo do que está dentro. Tudo vem de dentro para fora! E é exatamente isso que o ego não entende, uma pessoa apegada ao ego, espera sucesso exterior para se sentir bem! O sucesso deve ser sentido por dentro primeiro, pois a alma não pode se sustentar com o que vem de fora. E é aí que mora a plenitude: Em não esperar nada de fora, nada dos outros, em não desejar.
Obviamente ninguém está livre do ego, mas podemos controlar isso, podemos tomar consciência do que é ego e do que é alma, nunca deixaremos de sofrer, mas podemos reduzir cada vez mais o sofrimento simplesmente desistindo de ouvir o ego, desistindo cada dia mais de seus caprichos e assim, cada dia mais vamos ficando plenos, cada dia mais vamos deixando um capricho de lado, vamos abandonando assim os valores podres que nos foram enfiados na cabeça e vamos ficando vazios e ao mesmo tempo plenos, vamos sendo transbordados com essa plenitude.
Não espere mais nada de ninguém, além de você mesmo. Confie no que você sente acima do que os outros dizem. Veja as coisas como elas se mostram e não como elas se parecem. Autoconfiança não é saber de tudo, mas não ter medo de errar. No momento certo você irá errar, deixe que o erro aconteça sem que ele abale sua confiança, quando aceitamos que somos imperfeitos, não choramos nossos erros, não choramos o leite derramado, a verdadeira perfeição está em aceitar sua imperfeição, a verdadeira sabedoria mora em compreender que você não sabe nada! Deste modo, só temos a ganhar, deste modo estamos sempre plenos! Desista de tudo e seja pleno de nada!

"O único desejo do sábio é não ter desejos"

Lao Tsé

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Até quando?



Até quando?

Até quando você pode suportar as cobranças? Até quando terá de aguentar que eles digam o que você deve ou não fazer? Até quando permitirá que eles escolham o que você veste, o que você come, seu corte de cabelo, os livros que são bons ou ruins, ou seja, seus valores? E principalmente, até quando você vai continuar fazendo papel de palhaço, sacrificando-se para ser legal com os outros, mendigando atenção?
É hora de acordar! Parar de seguir modas e tendências externas, a única tendência que você pode seguir é a tendência da sua alma, ela é a única que te conduz ao contentamento, mas ao invés disso você insiste em comprar roupas da moda, eles te manipulam tão facilmente, você acha que está fazendo sucesso, quando na verdade é um fracasso, um fracasso como ser, o ego se enche e o eu fica perdido. Eles dizem o que você vai vestir neste verão e você apenas obedece, não quer escutar os sussurros da alma, no fundo você nem gosta da roupa, mas compra para agradar aos outros, quer ser "melhor", não assume seus gostos porque morre de medo de parecer diferente, estranho. Por isso eu admiro as pessoas exóticas, estranhas e esquisitas. Elas carregam consigo sua dignidade, ousam não gostar do que todos gostam, ousam remar contra a maré, merecem reverências, com certeza! Originalidade é tudo!
Eles também ditam os livros e filmes que você deve assistir, os vestibulares cobram sempre os mesmos livros, eu não tenho nada contra esta literatura, mas nunca a coloquei num patamar superior, sempre evitei os livros da escola, ou os lia com um desdém apenas para tirar minhas notas, e é assim o tempo todo, não me agradava ler esses livros pelo simples fato de que eu deveria ler, definitivamente temos o direito de questionar nossos deveres, a palavra "deveria" é tão limitadora, pense em quantos livros você poderia ter lido! Existem milhares, milhões, para todos os gostos, mas você permitiu que eles escolhessem o que você deveria ler. Submeteu-se ao que eles acham que é bom, a vontade deles. Todos nascemos com o poder de questionar, o poder de escolher, mas poucos usufruem deste poder, você tem esse poder, mas eles conseguiram! Depois de anos trabalhando na sua mente, eles te limitaram, na verdade a manipulação é tanta que eles fizeram com que você mesmo abdicasse a esse poder. A leitura é fenômenal, desde que você leia o que precisa ler no seu nível de evolução, ninguém pode saber o que você precisa ler além de você mesmo! Para aprender precisamos ser curiosos, para ser curiosos precisamos ser grandes questionadores e isso nos trás originalidade! Questionar, escolher, pensar por sí descartando as opiniões dos outros, isso te faz único, você nasceu para ser único.
Mais uma vez, digo que a solução de tudo está no controle de seu ego, deixe o ego ruir, deixe sua vontade fluir, não tente se moldar para agradar ninguém além de você mesmo, o contentamento não mora nos outros, você não deve nada para eles e quanto mais você tentar agradar o que está fora, menos agradará o que está dentro, ou seja: seu ser. O ego se preocupa com sua imagem, com "o que eles pensarão?" deixe que te chamem de burro por não ter lido Dom Casmurro, deixe que te chamem de feio por não vestir Nike ou por não usar o penteado da moda, deixe que te chamem de estranho porque é isso que você é no seu interior, todos nós somos estranhos uns para os outros porque todos somos diferentes. Tenha coragem de mandar os outros para merda, pare de se importar com o que eles estão pensando ou deixando de pensar, deixe que criem antipatia por você, isso é bom! Quando somos únicos obviamente não agradamos a todos, agradamos apenas a quem gosta realmente da gente, agradamos a quem não se importa com o que vestimos, lemos ou falamos, agradamos a quem nos aceita como somos, agradamos as pessoas certas! As pessoas erradas que se fodam! Essas pessoas nem combinam com você, percebe? Depois que você se assume como é, depois que você se aceita, isso se torna muito claro, transparente como a água, daí você percebe quanto tempo perdeu tentando ser "legal", tentando ser medíocre! Se você está tentando ainda e não está tendo sucesso, agradeça! Agradeça pelo seu não sucesso, agradeça sua impopularidade, isso é uma benção, um recado para você desistir! Desista de toda essa merda agora! Seja livre! Não deseje ser amado por eles, não seja carente!
Depois que você entende isso, depois que você abandona essa manipulação, tudo muda! Você se sentirá finalmente único, não será melhor, nem pior, mas saberá que é único, e no final verá que era isso que precisava, mesmo que ninguém além de você mesmo reconheça sua originalidade, mas te garanto que no final, as pessoas despertas como você, também o reconhecerão e irão lhe admirar pela sua ousadia. Depois de aceitar e desistir das regras do ego, finalmente seu ser, sua alma, sentirá vitória. Só existe esse tipo de sucesso no mundo, o sucesso do ego é uma ilusão, o contentamento do ser é a verdade. A vitória da alma só vem depois do fracasso do ego. Até quando um ser humano se permite ser dominado pelos outros? Até quando ele continua dominado pelo próprio ego.

"Quem pode restituir à vida o que tão morto nos parece?

Só quem sintoniza com a alma do Infinito! -Só quem não busca o seu próprio ego, mas demando o seu Eu real,mesmo quando tudo lhe falta.

Aquele que segue o Caminho Perfeito não deseja estar cheio de coisa alguma.

E por não estar cheio de si mesmo pode parecer que está gasto, inútil e desprovido da perfeição temporal dos homens.
"

Lao Tsé

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Solidão



Solidão


De repente você está sozinho. É inevitável, por mais popular que você possa ser, por mais pessoas que você conheça, por mais que te liguem de dez em dez minutos, aconteceu! E agora tudo que lhe resta é você mesmo, não há mais ninguém além de você. Já reparou como somos inúteis sozinhos? A utilidade é algo social, eles te criaram para ser útil socialmente, mas sozinho você não presta para nada, sozinho não tem mais porque usar as máscaras, elas caem, sozinho você tem que se enfrentar, a solidão é um espelho e por isso ela é tão triste, e ao mesmo tempo tão maravilhosa!
Alguns filósofos e psicólogos, sempre insistem na morte como maior medo do homem, mas eu acrescentaria algo a essa inteligente observação, o medo não é da morte em sí, mas o medo é da solidão, pois a morte implica em abandonar tudo, deixar todos seus amigos, parentes, amantes, obejetos e talvez até você mesmo, seu corpo, alguns aspectos da sua personalidade como o ego, o que lhe sobra? Você fica nú, sozinho, a morte é um encontro inevitável com a solidão, por isso é temida, ninguém pode passar por isso a não ser você, é a sua morte, você deve partir e não haverá segurança alguma, você parte para algo insondável, parte para um lugar desconhecido, mesmo se estiverem segurando sua mão, mesmo se estiver rodeado de pessoas dando a você muito amor, você partirá, a mão que eles seguram não mais será sua, e a solidão te dominará!
Todos nós passamos pela solidão, sem excessões, as vezes nos sentimos sozinhos, mesmo rodeados de pessoas, lá está você no dia do seu aniversário, rodeado de presentes, parentes, amigos, beijos e abraços e de repente sente o doce toque da solidão, um lembrete de que você está sempre sozinho, dentro de você não há ninguém além de você mesmo. Encarar isso é doloroso, mas ao mesmo tempo muito libertador, depois que nos acostumamos com a idéia da solidão sentimos uma certa liberdade, uma liberdade que apenas a verdade pode nos trazer, aceitar verdades é adquirir liberdade, e aceitar a solidão é uma das maiores liberdades que um ser humano pode desfrutar. Liberte-se agora, desista de tentar preencher o vazio da solidão, essa lacuna sempre estará aí, nem amigos, nem pais, nem amantes, nem filhos, nem Deus, nada poderá preencher este vazio, você pode se enganar por fora, mas quando encosta a cabeça no travesseiro a verdade aparece. Na verdade quando nos enganamos é ainda pior, pois isso surge de uma maneira ou de outra, ou vai pela compreenção ou vai pelas dores, tudo o que reprimimos volta de uma maneira dolorosa, como uma depressão, como aquele medo de morrer que te domina assim que acorda, tudo isso é sinal de que você está reprimindo a verdade da solidão.
Medite, sinta esse vazio agora mesmo, ele pode parecer doloroso a primeira vista, mas entenda que esse vazio é só seu, ele é sua parte mais íntima, ninguém poderá compreendê-lo além de você, ele é um presente de Deus e apenas você poderá desembrulhar o pacote, é a chave de sua alma, sua individualidade, dentro deste vazio nada faz sentido, não precisa fazer sentido, não precisa ser socialmente útil, não precisa da mente, nem das palavras, nem de nada, as palavras são criadas para comunicar aos outros uma idéia, as vezes elas nos ajudam em solidão a organizar nossas idéias, mas nada além disso, dentro deste vazio elas se tornam inúteis, pois existe algo muito maior, o sentir, o experenciar, esse vazio tem o tamanho do universo, existe muito a ser descoberto por lá, mas isso só você poderá explorar e entender, não existirão palavras para descrever, nem imagens nem cheiros, nem sons, nem nada.
Depois de experenciar a solidão, ela se torna viciante, você primeiro se encara, luta em vão contra você mesmo, depois desiste da luta e aceita a derrota, e tudo que lhe resta é o vazio, neste estágio nos sentimos bem, nos sentimos únicos e verdadeiros, estamos sendo finalmente sinceros conosco! Depois tudo volta ao normal, você tem uma vida social, precisa das palavras para comunicar, precisa dos amigos para rir juntos, mas agora você está consciente de sua solidão e por vezes o ego se entristecerá, pois ele saberá do tamanho de sua inutilidade, ele sabe que perdeu, sabe que está praticamente morto e irá te perturbar sim! Não há como fugir, Jesus Cristo, Buda, Jó, Lao Tsé e outros grandes mestres passaram por isso, você também passará ao seu modo, esta é a tristeza da qual você nunca fugirá, a verdade liberta, mas dói! Ela liberta o Eu Superior do ego, e dói no ego, como todos temos ego, todos sentiremos isso, esta é a tristeza de ser livre, ser livre implica em ser sozinho. Entendam bem, não digo para não casar, para não ter amigos, para não viver em sociedade, se isolar no alto de uma montanha ou se fechar dentro de você mesmo é covardia, é temer a vida! Estou dizendo que ser livre implica em ser sozinho, pois mesmo com as pessoas e com a sociedade, estamos sozinhos, você não joga fora as máscaras, mas sabe o momento certo de vestí-las e tirá-las, sabe o momento certo em ligar de desligar o ego, agora você é senhor do seu ego, você o domina e não permite mais que ele te domine! Espero que entendam muito bem isso, pois este é realmente um desafio para todos nós, não lutar contra o ego mas sim dominá-lo. O ego é uma criança mimada que quer atenção, se você luta contra ele, você o dá a atenção de que ele precisa e ele se infla, quanto mais você luta contra, mais alimenta, para vencer o ego, devemos deixar que ele atue nos momentos oportunos, nos momentos inoportunos, quando ele nos entristece, apenas ignore-o. É como ignorar uma criança que faz birra, ela logo para e desiste, mas se você alimenta suas vontades ela se tornará um adulto birrento e mimado, um fracassado total!
A dor da solidão é um presente que te faz sentir vivo, ela é o choro de todos os mestres. Você notará que está sozinho, as pessoas gostam de você, mas não te enxergam mais como antes, você está lá, mas está desligado, este desligamento é doloroso, você se sente um inútil, sem respeito ou conhecimentos, eles se aproximam para pedir conselhos, esperam sua aprovação, mas não estão mais com você, é inexplicável, é doloroso demais! Haverão muitos momentos de dor, chore essa dor! Não a ignore! Todos os mestres choraram essa dor, mas por fim sossegue seu coração e sinta sua liberdade, e assim se sentirá, mesmo que por um breve momento, livre do ego, livre do medo da solidão, pois você terá aceitado ela, e finalmente livre do medo da morte, eu diria que você se liberta da própria morte.
Na minha opinião, não existe nada mais apropriado para descrever a dor e a beleza da solidão do que este poema de Lao Tsé:

O Aparente Fracasso do Homem Espiritual

Renunciai à vossa pretensa cultura,

E todos os problemas se resolvem.

Oh! Quão pequena parece à diferença entre o sim e o não!

Quão exíguo o critério entre o bem e o mal!

Como é tolo não respeitar o que merece ser respeitado de todos!Alinhar ao centro

Oh solidão que me envolve todo!

Todo o mundo vive em prazeres como se a vida fosse uma festa sem fim,

Como se todos vivessem em perene primavera!

Somente eu estou só... Somente eu não sei o que farei...

Sou como uma criança que desconhece sorriso...

Sou como um foragido sem pátria nem lar...

Todos vivem na abundância, somente eu não tenho nada...

Sou um ingênuo, um tolo. É mesmo para desesperar...

Alegres e sorridentes andam os outros!

Deprimidos acabrunhado ando eu...

Circunspetos é ele, cheios de iniciativas!

Em mim, tudo jaz morto...

Inquieto, como as ondas do mar, assim ando eu pelo mundo...

A vida me lança de cá para lá, como se eu fosse uma folha seca...

A vida dos outros tem um sentido, e eu não tenho uma razão-de-ser....

Somente a minha vida parece vazia e inútil;

Somente eu sou diferente de todos os outros,

E, no entanto - sossega meu coração!

Tu vives no seio da mãe do Universo.


Tao Te King.
Lao Tsé

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Sonhos e Alucinações


Sonhos e Alucinações

Não só dos sonhos noturnos nossa alma necessita. Não devemos nunca nos esquecer de sonhar acordados, mas não falo aqui sobre aquele estereótipo de sonhador que vive com a cabeça nas nuvens e os pés fora do chão, falo sobre o sonhador ponderado, que reconhece e principalmente aceita a realidade tal como ela é, sem perder sua ternura.

As pessoas normalmente demoram muito para se acertar, ou estão em um extremo, ou estão no outro, raramente equilibram-se no meio termo, demoram a encontrar o "caminho do meio" como Sidharta Gautama nomeou este estado de plenitude. Ou seja, hora estamos nas nuvens, hora estamos com a cabeça abaixada olhando para o chão, ou sonhamos desvairadamente ou nos afogamos em um pessimismo absurdo ao qual insistimos chamar de realismo. É justamente por isso que a felicidade parece muitas vezes uma criança fujona, ela existe dentro de nosso peito, no fundo de nossa alma e nós muitas vezes não paramos para ouvir sua doce voz, ao contrário disso, afugentamos ela com nossas próprias alucinações que normalmente são confundidas com sonhos, mas como podem ser sonhos se prejudicam nossa própria alma? Para agradar a essa criança chamada alma, tudo que temos de fazer é simples: Aceitá-la tal como ela é. Está aí a diferença, está aí o "caminho do meio"!

Portanto, existem os céticos e seu "pessimismo-realista" que simplesmente ignoram a existência de uma alma e limitam seu mundo aos estímulos físicos, existem os alucinados e seus "sonhos-fuga", ao contrário dos céticos eles fogem do mundo real e se aprisionam em suas próprias mentes e por fim existem os poucos sonhadores, pessoas que escutam sua alma com respeito e aceitação.

Os céticos estão por toda a parte, é muito fácil encontrar um deles, normalmente rancorosos e sempre se acham grandes batalhadores, sua vida limita-se ao trabalho e a suprir suas necessidades básicas de seu corpo animal, como estamos aqui para debater os sonhos, ignoremos os não sonhadores. Os alucinados usam seus sonhos como forma de fuga, já que a realidade não os agrada, resta a eles este doce espaço em suas mentes, onde tudo é perfeito (como a sociedade quer) e seu ego pode ser falsamente alimentado, porém em seus momentos lúcidos são tomados por uma tristeza e auto-piedade indescritíveis. Pessoas assim normalmente tendem a tornar-se depressivas, apáticas e socialmente debilitadas, o que chega a ser um paradoxo, "sonhos " trazendo infelicidade e sofrimento. E por fim, os raros sonhadores, são pessoas auto-suficiêntes e decididas, não sonham por necessidades do ego, mas sim pelo prazer de ouvir a voz da alma, a diferença entre os sonhos deles e os sonhos dos alucinados é simples: Eles não anseiam, eles desfrutam, eles não sonham para compensar frustrações, eles não esperam nada de seus sonhos além de o prazer de sonhar e de imaginar algo melhor, sabem que tudo depende de suas energias e os sonhos são um caminho para a fluência dessa energia positiva, portanto não se preocupam.

Pense nisso, seus sonhos devem trazer a você energias positivas e essas energias trarão a realização de seus sonhos, não se alucine, não escute os desejos megalomaníacos de seu ego, mas sim os sussurros de sua alma. Uma pessoa pode sonhar com uma vida de farturas e riquezas de duas maneiras diferentes, comportando-se como uma criança mimada que quer tudo na hora e se frustra quando seus sonhos (alucinações) não condizem com sua realidade, ou comportando-se como um sonhador, aceitando seus defeitos e as peculiaridades de sua alma, vislumbrando algo melhor e celebrando a felicidade e satisfação por saber que o mundo está aos seus pés.

Aceite a sí mesmo e a sua realidade sem tristeza ou auto-piedade, aceitando a sí mesmo, terá uma nova percepção sobre seus sonhos. Sonhe com a alma, sem se importar com os padrões pré-estabelecidos, seus sonhos não tem limites, coloque a sí mesmo dentro do sonho e não a imagem que a sociedade criou de você, isso é alucinação e não-aceitação, se o fizer desta maneira, estará negando a sí mesmo em seu próprio sonho e ao invés de dar um passo a frente para realizá-lo, estará vergando-se para a realidade até mesmo dentro de um sonho. Em outras palavras coloque os pés no chão e sonhe!