mapa

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Plenitude


Plenitude

Enfim pleno! Uma folga na luta cotidiana, um oásis no deserto da sua mente. Lutamos contra nós mesmos, pelo menos as pessoas que buscam um compreendimento maior do mundo, que buscam um nível mais elevado de consciência, vezes ou outras precisam lutar, lutar contra seus egos, conflitam, se frustram, sofrem! Até que um dia são dominadas por este sentimento maravilhoso de plenitude. Não se sentem mais ricas nem mais belas e nem mais importantes. Mas compreendem que a única riqueza é a sabedoria, a única beleza é a aceitação e a única importância é que parte de você para você mesmo. A plenitude é na verdade um grande vazio, você simplesmente desiste, olha para as pessoas, todas lutando por atenção, carentes, querendo inflar um pouco de seus egos e desiste de ser assim, deixa que eles vençam, passa a não precisar mais deles, sendo assim está seguro em sí, confia no universo, confia em você mesmo. Não precisa mais de conselhos alheios, porque sabe que não existe conselheiro melhor que seu coração, não precisa ser idolatrado nem amado pelos outros, pois não existe maior amor do que o amor próprio, não quer alguém que te complete, você é completo. Apesar de imperfeito, apesar de falho, você é completo, pois aceita sua imperfeição, aceita suas fraquezas sem culpa, e sendo assim está preparado para superá-las se elas estiverem te atrapalhando. Você não se completa, apenas nota que sempre foi completo, porque é único, original. Sente-se feliz por ser você mesmo, agradece por ser simplesmente você!
Este estado de plenitude consiste em se assumir, se aceitar, fazendo isso você tira a importância que dá para as coisas que estão fora e direciona todas suas energias para o que está dentro, para sua verdade. O ego está preso fora de você, ele quer mostrar as coisas para os outros, ele é um exibido, um carente, por isso quando ficamos sozinhos ele não encontra utilidade, tudo o que está fora é ilusório, um mero reflexo do que está dentro. Tudo vem de dentro para fora! E é exatamente isso que o ego não entende, uma pessoa apegada ao ego, espera sucesso exterior para se sentir bem! O sucesso deve ser sentido por dentro primeiro, pois a alma não pode se sustentar com o que vem de fora. E é aí que mora a plenitude: Em não esperar nada de fora, nada dos outros, em não desejar.
Obviamente ninguém está livre do ego, mas podemos controlar isso, podemos tomar consciência do que é ego e do que é alma, nunca deixaremos de sofrer, mas podemos reduzir cada vez mais o sofrimento simplesmente desistindo de ouvir o ego, desistindo cada dia mais de seus caprichos e assim, cada dia mais vamos ficando plenos, cada dia mais vamos deixando um capricho de lado, vamos abandonando assim os valores podres que nos foram enfiados na cabeça e vamos ficando vazios e ao mesmo tempo plenos, vamos sendo transbordados com essa plenitude.
Não espere mais nada de ninguém, além de você mesmo. Confie no que você sente acima do que os outros dizem. Veja as coisas como elas se mostram e não como elas se parecem. Autoconfiança não é saber de tudo, mas não ter medo de errar. No momento certo você irá errar, deixe que o erro aconteça sem que ele abale sua confiança, quando aceitamos que somos imperfeitos, não choramos nossos erros, não choramos o leite derramado, a verdadeira perfeição está em aceitar sua imperfeição, a verdadeira sabedoria mora em compreender que você não sabe nada! Deste modo, só temos a ganhar, deste modo estamos sempre plenos! Desista de tudo e seja pleno de nada!

"O único desejo do sábio é não ter desejos"

Lao Tsé

9 comentários:

Niña disse...

César...qt tempo!
tem uma surpresinha pra vc no meu blog "Tocando estrelas...".
Dá uma olhadinha lá.

Bjinhos

Ne disse...

Plenitude é uma armadilha... Saber que somos imperfeitos e simplesmente aceitar as imperfeições é bastante comodo, o difícil é tentar 'melhorar' e saber algo.
Não sei tudo, mas também sei algo a mais que o nada. Extremos estão no plano das idéias como as definições.
Não quero desistir dos sonhos e objetivos, eles me faz querer saber mais, viver mais e tentar mais.

Ana Karina Fainascki Panzoni disse...

olá!!! Cesar,

Obrigada pela visita. Obrigado pelo carinho e atenção. Fico feliz que tenha gostado do blogger. Adorei que tenha me encontrado no orkut. Estou adorando o seu blogger.

Beijinhos,
Karina.

Cesão disse...

Ne,
Muito obrigado por sua observação!
É muito coerente o que você disse, a plenitude é uma armadilha sim!
Talvez eu tenha me expressado muito mal neste ponto!
Devemos desistir dos desejos do ego, mas jamais desistir dos sonhos do eu!(leia o post "Sonhos e Alucinações")
Assumir a imperfeição é ser perfeito, mas isso não significa que devemos deixar de evoluir, muito pelo contrário, quando reconhecemos a imperfeição, vamos de bom grado atrás de nossa evolução! Evoluimos por vontade própria, aprendemos por gosto e não por obrigação, não com pesar!
Muito obrigado pelo comentário mais uma vez, livrou a muitos de uma armadilha, inclusive a mim mesmo!
Volte e comente sempre! =)

Grazi disse...

Ainda não li a postagem, mas estou passando para deixar um presentinho para ti.

Prêmio!

Confira: http://origamibygrazeyann.blogspot.com/2009/02/premio-dardos.html

Ana Karina Fainascki Panzoni disse...

Olá!!! Cesar,
tudo bem?

Vim te visitar, seu blogger está fantástico. Por isso indiquei teu blogger ao Prêmio Dardos... passa lá no meu blogger, copie e cole o selo e veja as instruções no tópico do prêmio dardos.... Parabéns!!
Muita Luz!!

Beijinhos,
Karina.

Um ser classificavel... disse...

Oi! Estava navegando nesta madrugada chuvosa pela internet, e nem sei como, mas vim parar aqui, não pude deixar de ler a última postagem, e devo lhe dizer q os títulos das demais postagens tbm me causaram grande curiosidade em saber o que reservam seus textos. Mas por hoje gostaria de te deixar um pergunta, até que ponto Freud tem a ver com pensamento de sua postagem? Faço a pergunta pelo fato de se referir várias vezes ao ego, e ao se “libertar” do ego, aí fiquei pensando: id, ego, superego; partes do inconsciente... sei lá...hehe...o q tem a me dizer? Mas responda só se achar a pergunta relevante.

Só mais uma coisa, “Desista de tudo e seja pleno de nada!” é com esta frase que termina a postagem, então como posso desistindo ser pleno de nada? Realmente, acho que ser pleno não é uma coisa muito simples...

Foi muito agradável encontrar seu blog, fiquei encantada com a correspondência que criaste entre textos e imagens...

Até mais...

Cesão disse...

Olá, fico feliz que tenha gostado de minhas postagens!
Não conheço Freud, quando digo "ego" estou me referindo mais ao conceito de "ego" budista/taoísta. Aquela parte mentirosa de nossos seres, a origem de todos os desejos supérfulos, o nosso lado mimado que não aceita nada que não seja de seu próprio modo e que se interpõe entre nós e nossa iluminação.
Quanto a outra pergunta, é tudo uma questão de brincar com as palavras, você brincou com as palavras e criou um paradoxo, não existe querer ser pleno de nada, ser pleno de nada é por sí só uma ausência total de todos os desejos!
Mas tome cuidado, nem todos os desejos são ruins, apenas os desejos megalomaníacos do ego, as vontades da alma deve ser escutadas, as vezes sou um pouco incisivo e também brinco com as palavras para dar um nó na cabeça do leitor, para dar um tapa na cara! Entende? Mas sou movido por um desejo de fazer com que todos reflitam e despertem suas almas, que todos se libertem dos parâmetros limitadores da sociedade!
Inclusive, eu mesmo!
Abraços! Volte sempre!

Um ser classificavel... disse...

Ok! Entendo sim...

Realmente a última parte de meu comentário, que chama de segunda pergunta, foi apenas um jogo de palavras, costumo “brincar” bastante com elas, banhando-as de uma “ironia ingênua”, às vezes. Nem tudo o que termina com ponto de interrogação precisa necessariamente de uma resposta. Neste caso tive a intenção apenas de mostrar que apesar de concordar no que diz “abandonar o ego”, entendo também que não se pode ser muito “extremista” quanto ao mesmo.

Valeu pela atenção e explicações.
Tenha certeza que visitarei O Despertador do Místico sempre que possível. ;)

Abraços!